Regularização de redes: Enel inicia inspeção de postes

A regularização de redes é importante para a população. Ao andarmos na rua, percebemos que muitos postes contam com sobrecarga de cabos . Mas você sabia que, em média, 30% a 40% desta fiação está irregular?

A seguir vamos explicar como isso impacta diretamente de maneira negativa na vida da população.

Boa leitura!

 

Muito mais do que uma questão estética, o emaranhado de fios e cabos é o resultado de uma sequência de irregularidades.

Primeiramente, temos que dizer que o espaço nos postes é alugado por empresas de Telecomunicações.  Entretanto, nem todas seguem as normas.

Algumas companhias excedem a quantidade de pontos permitida por contrato, utilizando muitas vezes cabos fora do padrão ou não identificam seu cabeamento. Além disso, há também empresas clandestinas que passam os seus cabos de forma irregular.

Neste ponto, precisamos informar que qualquer operadora de telecomunicação precisa solicitar aprovação de seu projeto na companhia de energia e ter esse projeto aprovado antes de dar início à ocupação  dos postes. 

No contrato com a companhia de energia, comprovam a viabilidade e há a exigência da identificação do cabeamento em todos os postes.

É importante ressaltar também que há uma regulamentação federal que estabelece que a regularização dos cabos nos postes de energia elétrica é responsabilidade das operadoras de telecomunicação.

Dessa forma, ao apresentar qualquer irregularidade, as companhias podem sofrer consequências, como multas e cortes.

 

Enel dá início à inspeção de irregularidades

 

Em São Paulo, a Enel já iniciou a inspeção nos postes dos municípios em que atuam. Com esta operação, o objetivo é identificar irregularidades, as empresas clandestinas e notificá-las para que regularizem seus cabos.

A partir da notificação, as empresas têm 45 dias para regularizarem a sua rede, sendo ela óptica ou metálica. Caso não seja obedecido o prazo, a concessionária tem a permissão para retirar os cabos e fios sem identificação.

Para as empresas que agem de maneira clandestina, a ação é diferente. A Enel remove as fiações que estão irregulares sem aviso prévio.

A multa no caso de ocupação a revelia pode chegar até 100 vezes o valor do aluguel do poste. Dependendo da quantidade de rede irregular, esse valor pode ser na casa dos milhões, comprometendo diretamente os investimentos de muitas operadoras.

Em caso de reincidência, a empresa que não se regularizar pode perder a sua licença SCM da Anatel e ainda ser multada pela agência.

 

 

Irregularidades ameaçam a população

 

Por fim, é necessário dizer que essas irregularidades não prejudicam apenas as empresas. Elas acabam afetando a população de maneira geral.

Ao optar por deixar as redes de telecomunicações de forma clandestina, as corporações são diretamente responsáveis por possíveis acidentes. 

Assim, a atitude criminosa pode causar curto-circuito, interrupção de energia, incêndios e até mesmo acidentes fatais. Além disso, os seus representantes legais são indiciados na área civil e criminal.

Dessa forma, as concessionárias de energias (Enel, EDP, CPFL e Elekro) fazem essa inspeção com regularidade. Essas ações de regulação refletem na economia e receita, sendo repassadas para o consumidor final na tarifa de energia.

 

Há mais de 20 anos, a Plagecon sabe que contribuir para o desenvolvimento da sociedade enquanto consumidora final dos serviços é uma missão.

Por isso, atendemos todos os nossos clientes com excelência e competência profissional, auxiliando na regularização de rede telecomunicações. Além disso, temos um serviço de consultoria, onde assessoramos empresas na obtenção do contrato de compartilhamento junto às companhias de energia

Então, se a sua rede ainda está clandestina ou só tem parte dela regularizada, e estiver precisando de ajuda, não deixe de entrar em contato conosco. Regularização de redes é importante para a segurança de todos. 

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin